Trem Turístico

Mensageira do progresso e da civilização, a locomotiva a vapor invadiu o imaginário dos homens do século XIX e garantiu a entrada das diferentes nações do mundo na era industrial moderna.

Eixo Ferroviário [+]

Para que a ferrovia chegasse a Ouro Preto e Mariana, foram necessários anos de espera e prodigiosas obras de engenharia, tamanhas eram as barreiras impostas pelas condições dos terrenos e da topografia da região.

A história da construção da ferrovia de Ouro Preto, iniciada em 1883, e depois do seu prolongamento até Mariana, concluído somente em 1914, assim como a história de todo o século XIX, é capítulo importante na trajetória das duas cidades.

Foi ainda, no final do século XIX, com o advento da ferrovia, que se delineou o novo rumo do desenvolvimento econômico da região, tanto em relação à industrialização quanto ao aproveitamento das suas riquezas minerais, velho sonho dos mineiros que já não podiam contar mais com o ouro.

Nestes espaços, sobretudo nas estações de Ouro Preto e Mariana, desenvolvem-se as ações do Programa.

Vagões [+]

Vagões Operacionais

Composto de uma locomotiva a vapor, uma a diesel e cinco vagões de passageiros, o trem é capaz de comportar 240 pessoas por viagem.

Entre esses vagões – que mantêm o mesmo desenho dos antigos trens, com interiores em madeira –, destaca-se o panorâmico, que permite, por meio da sua estrutura transparente, a visualização completa de toda a paisagem.

Vagões Museográficos

Vagão Café de Ouro Preto

Este carro entrou em operação em 1971, sendo utilizado para inspeção de trechos da Rede Ferroviária Federal S/A, no Rio de Janeiro e em Minas Gerais. Anteriormente, foi um luxuoso alojamento para engenheiros, supervisores, superintendentes e diretores da RFFSA. Seu interior era refrigerado e todo revestido em jacarandá, com estofamentos em couro, piso em carpete e acabamento em aço inox.

Vagão dos Sentidos

Criado para funcionar como um carro de passageiros, este vagão foi adaptado para integrar a chamada Composição de Socorro, acionada em casos de obras ou acidentes ferroviários. Era conhecido como “Quarto Dormitório”, pois acomodava os trabalhadores durante as ações.

Para o Trem da Vale, o desenho original das janelas e da porta foi completamente recuperado, transformando o vagão em um espaço de imersão, com projeções de imagens poéticas, relacionadas à história de Minas Gerais. Após o restauro, o vagão foi instalado na Estação de Mariana.

Vagão Sala de Histórias

Este vagão, construído antes da década de 50, é um dos mais antigos carros do acervo. Quando ainda corria pelos trilhos de Minas Gerais, era usado somente para trabalhos internos, transportando materiais e equipamentos da Vale. Agora situado em Mariana, que também abriga as minas de Alegria e Fábrica Nova da empresa, o antigo vagão transformou-se em um espaço reservado ao registro, em vídeo, de relatos de História Oral de moradores da região e visitantes. O objetivo é valorizar a identidade regional, fortalecendo a transmissão de conhecimento e a memória afetiva relacionada ao patrimônio do lugar.

Vagão Sonoro Ambiental

Revestido em aço carbono, material que tem o minério de ferro como ingrediente fundamental, este carro rodava como um vagão de carga, tendo sido adaptado para a manutenção da via permanente da Ferrovia Centro-Atlântica (FCA), que começou a operar em 1996. Para transformá-lo no Vagão Sonoro-Ambiental da Estação de Mariana, foram adicionadas janelas e três portas, permitindo uma visibilidade maior de seu interior, que abriga uma oficina de criação de instrumentos musicais e a instalação “Resíduos Sonoros”.

Vagão Oficina

Encontrado no pátio da oficina Gonçalves Dias, na Estação de Tartária, em estágio avançado de deterioração, esse carro foi inteiramente reconstruído. Originalmente, transportava passageiros. Em sua recuperação, o desenho externo foi mantido e o interior, adaptado para abrigar a cafeteria até o ano de 2012. Atualmente, o vagão foi estruturado para a realização de oficinas culturais.

Vagão Biblioteca da Estação de Ouro Preto

Esse vagão foi utilizado na década de 70 como um vagão auxiliar, fornecendo energia ao carro O-500 (hoje o Vagão Café - Mariana) e servindo ao transporte de bagagens. Originalmente, fazia parte da composição do Trem Capixaba, que transportava bagagem e correspondências entre o Rio de Janeiro (RJ) e Vitória (ES), cidades onde a Vale também está presente.

Ao lado da Biblioteca de Ouro Preto está o vagão vestiário, que, originalmente, era um vagão fechado destinado ao transporte de cargas em geral. Com revestimento em aço carbono, tinha capacidade para até 64 toneladas. Com a reforma, foram recuperados o modelo original e a maior parte da estrutura do vagão, que agora integra o acervo do Trem da Vale em Ouro Preto.

Locomotivas [+]

A locomotiva a vapor foi criada no início do século XIX, na Inglaterra. No Brasil, chegou em meados do século, mas se espalhou pelo país nos anos 1900, junto com as ferrovias.

A locomotiva do Trem da Vale foi fabricada pela Skoda, da República Tcheca, em 1949. O modelo Loco 201 se movimenta a velocidade máxima de 60 quilômetros por hora (km/h). A velocidade média do percurso Ouro Preto-Mariana é de 20 a 25 km/h.

A Loco 201 foi encomendada para a ferrovia Santa Fé, nos Estados Unidos. Foi comprada pela Ferrocarril, da Argentina. Em 1980, a Rede Ferroviária Federal (RFF) comprou a locomotiva para trabalhar em Santa Catarina, de onde foi trazida para as viagens do Trem da Vale. A Loco 201 não está em atividade.

Conhecida como Máquina 3, a locomotiva Brigardier foi construída por volta de 1918 na Alemanha e usada para trabalhos militares durante a Primeira Guerra Mundial. Depois do fim da guerra, foi comprada pelo governo brasileiro e usada em Minas Gerais para transportar cargas de olarias e pedreiras. A locomotiva foi recuperada pela Central do Brasil e restaurada pelo projeto Trem da Vale – uma contribuição da empresa para a preservação de um ícone da nossa história. A locomotiva Brigadier, exposta na estação de Ouro Preto, não está em atividade.

Atualmente, o trem opera com a locomotiva G8.

Mapas [+]

Mapas

Consulte os mapas para conhecer a localização das Estações do Trem da Vale.

Informações de Embarque [+]

Horário de funcionamento das estações:

    Ouro Preto

Terça-feira a domingo e feriados nacionais, das 9h às 17h - Tel: (31) 3551-7310 Praça Cesário Alvim, s/n. – Barra

    Mariana

Terça-feira a domingo e feriados nacionais, das 9h às 17h - Tel: (31) 3558-3104 Praça Juscelino Kubitschek, s/n. – Centro

Viagens de Trem*

Embarque de Mariana:

Sexta e Sábado: 13h e 16h

Somente aos domingos: 11h30 e 15h

Embarque de Ouro Preto:

Sexta e Sábado:  10h e 14h30

Somente aos domingos: 10h, 13h30 e 16h30

O funcionamento do trem turístico poderá sofrer alteração. Para verificar mensalmente os horários de embarque acesse o calendário de trens.

PREÇOS

Inteira:

  • R$ 40,00 ida
  • R$ 56,00 ida e volta.

Meia:

  • R$ 20,00 ida
  • R$ 28,00 ida e volta.

Vagão Panorâmico (tarifa promocional):

  • R$ 60,00 ida
  • R$ 80,00 ida e volta.

Descontos para embarcar no Trem da Vale

  1. Crianças até 5 anos, no colo, não pagam. Crianças de 6 a 12 anos, adultos a partir de 60 anos e estudantes (mediante apresentação de RG e carteira de estudante dentro do prazo de validade) pagam meia-entrada.
  2. Os naturais de Ouro Preto e Mariana, que apresentarem comprovante de residência em nome da pessoa que está solicitando o bilhete e documento de identificação com foto pagarão o valor de: Vagão Convencional -  R$15,00 (somente ida) e R$21,00 (ida e volta).

Reserva para grupos

O guia turístico credenciado pela Embratur, pela Agtop e pela Agturb, apresentando carteira dentro da validade, tem direito a uma cortesia. Cada grupo de 30 pessoas também tem direito a um bilhete de cortesia.

Links Relacionados  [+]

Veja alguns links sobre ferrovia: